0
1

Caros, gostaria de saber quais são as diferenças do Windows Azure para o XP e o 7.

Muito obrigado! M. Marcos

perguntou Jun 13 '12 às 14:56

koltybrek's gravatar image

koltybrek
2221

editou Jun 13 '12 às 17:50

renandayube's gravatar image

renandayube ♦♦
2123301.5k

Muitos usuários já devem saber sobre o lançamento do Windows Sete e devem estar se perguntando se vale a pena usá-la, se ela não vai travar demais, entre outras tantas perguntas.resolvi realizar testes de desempenho no Windows Sete, XP e Vista, para então, compará-los e mostrar os resultados a vocês. Pois, dessa forma, você poderá ter uma ideia melhor na hora de adquirir um desses três sistemas operacionais.

Procedimentos

Os testes realizados envolvem basicamente a velocidade com a qual certas tarefas são executadas e a estabilidade do sistema, ou seja, o quão bem ele é capaz de suportar tarefas cotidianas de usuários convencionais.

Os computadores nos quais os testes foram feitos possuem configurações similares, uma vez que na redação do Baixaki basicamente todos os computadores são iguais, exceto pela parte do sistema operacional. Apesar disso, todos são da versão 32-bits e possuem o último Service Pack (XP e Vista).

Testes de velocidade

Para avaliar a velocidade das tarefas testadas nós cronometramos o tempo para que ela fosse executada do início ao fim. Além disso, em todos os sistemas operacionais, procuramos deixar os testes iguais, ou seja, para avaliar a velocidade com a qual uma tarefa se realiza, abrimos exatamente os mesmos programas em todas as versões testadas antes do teste. Para que, dessa forma, pudéssemos calcular as velocidades após certo tempo de uso, e não a partir da inicialização do sistema.

Velocidade de boot

Ou seja, a velocidade para se reinicializar o sistema operacional. Para não realizarmos este teste assim que o computador foi ligado, optamos por abrir alguns programas antes, para então dar a ordem de reinicialização e, imediatamente a partir dela, iniciar o cronômetro, parando-o somente quando a tela de login estiver totalmente carregada.

o Windows Sete foi quem melhor executou essa tarefa, seguido do XP e do Vista. Vale a pena destacar que o tempo decorrido para efetuar o login totalmente aconteceu em uma proporção parecida, sendo o Vista aquele que mais demorou em efetuar a tarefa.

Velocidade para desligar

Aqui avaliamos o tempo decorrido desde a ordem de desligamento até o momento no qual o computador estava totalmente desligado. Os programas escolhidos para serem abertos, tanto neste teste como no anterior, foram: uma página no Internet Explorer, Windows Explorer, MSN e Skype conectados, e um documento no Excel, sendo que todos estavam abertos no momento da ordem de desligamento.

o Windows Vista compensa a sua demora em inicializar com a agilidade ao ser desligado, sendo desta vez o XP o mais demorado, enquanto o Sete continuou no meio termo.

Velocidade de recuperação após “travamento” total

Entenda por “travamento total” aquele momento no qual o ponteiro do mouse para totalmente de se mover, ou seja, ele trava (ou congela). Neste teste tivemos que submeter os sistemas operacionais avaliados a tarefas absurdamente intensas, com a intenção de fazê-los não “aguentar o tranco”, para enfim, podermos calcular o tempo necessário para que eles voltassem a permitir movimentos do ponteiro do mouse.

Para travarmos os sistemas operacionais, tivemos que abrir diversas imagens pesadas (algumas chegando a 30 MB), navegadores (FireFox e Internet Explorer) com mais de 30 abas abertas cada um, algum jogo pesado aberto (como o PES 2009), assim como vários programas da Adobe (Photoshop, Bridge, Flash Professional, entre outros). Além desses citados, também foram abertos diversos outros, tantos quantos estivessem instalados no computador, desde o Microsoft Word até Karspersky durante uma varredura completa.

Este certamente foi o teste mais difícil e demorado, pois precisamos baixar diversos programas pesados e instalá-los, além de ficar abrindo-os de diversas formas e diferentes quantidades até fazer o computador travar. O detalhe é que demoramos mais de duas horas para fazer o Windows XP travar, sendo que quando finalmente conseguimos tal façanha, o “travamento” não durou mais do que poucos segundos. Já nos Windows Sete e Vista a tarefa foi menos árdua, uma vez que já tínhamos uma ideia melhor sobre como proceder para alcançar nosso objetivo.

Neste teste, em geral, quem se saiu melhor foi o Windows Sete, porém, seguido de muito perto pelo XP. Enquanto o Sete e o XP competiam para descobrir quem demorava menos, o Vista resolveu “tirar uma soneca”, pois ficou basicamente 11 vezes mais tempo travado do que os outros dois.

Velocidade para abrir o “Gerenciador de tarefas”

Tal teste foi realizado juntamente com o anterior. Nele, simplesmente abrimos diversos programas, como já mencionado, e usamos o atalho “Ctrl + Shift + Esc” para abrirmos o “Gerenciador de tarefas” e calculamos o tempo demorado até ele ser exibido.

Seguindo quase a mesma linha, o Vista acabou sendo o que mais tempo demorou a executar a tarefa, seguido pelo Sete e pelo XP em relação à demora. Entretanto, continua a similaridade entre Sete e XP.

Estabilidade

Aqui procuramos analisar a capacidade dos Windows Sete, Vista e XP em executar tarefas simples do dia a dia de usuários convencionais. As tarefas realizadas foram: tocar algo no Windows Media Player, abrir o Internet Explorer com 10 abas e aguentar mais três janelas de conversação do Windows Live Messenger abertas.

Quantidade de memória RAM utilizada

Aqui devemos ressaltar que a versão utilizada do Windows Media Player testada no Windows Sete, foi a 12, pois ela já vem instalada com o sistema operacional. Já nos outros dois a versão utilizada foi a 11, entretanto, a diferença de memória RAM consumida individualmente pelo WMP em cada Windows foi irrelevante, ou seja, a diferença final dos resultados da tabela a seguir não provém do WMP, mas sim de outros fatores, como o número de processos abertos ao inicializar o computador, etc.

De modo geral a diferença final foi irrelevante para usuários com mais de 1 GB de memória RAM instalada. Ao contrário, usuários com 1 GB ou menos poderão considerar optar por outro Windows que não o Vista, uma vez que ele consome mais de 1 GB de memória RAM para executar as mesmas tarefas que os outros Windows.

Uso do processador

O presente teste foi realizado no mesmo contexto que o anterior, ou seja, 10 abas abertas no IE, WMP executado um arquivo de áudio e o WLM com três mensagens. A porcentagem de uso do processador é considerada relevante aqui porque quanto mais seu processador for utilizado, maior a probabilidade de seu computador ficar lento e começar a travar. Ou seja, este teste define o quão bem seu processador aguenta executar as tarefas acima e qual a sua chance de travar ou ficar lento.

link permanente

respondeu Jun 13 '12 às 16:49

nevareth's gravatar image

nevareth
737480508

editou Jun 13 '12 às 16:50

windows azure

O Windows Azure será uma plataforma especial para execução de aplicativos e serviços, baseada nos conceitos da computação em nuvem. Será um serviço totalmente hospedado e controlado pela Microsoft, o que difere das versões do Windows lançadas até hoje. Qualquer desenvolvedor cadastrado poderá enviar seus aplicativos para o Azure e rodá-los diretamente através do serviço, que confere escalabilidade e economia de licenciamento. Diferente do que vem sendo especulado, o Windows Azure não será um produto voltado para o usuário doméstico, e a princípio será alugado em vez de vendido.

Foi apresentado para os desenvolvedores e para o público no dia 27 de outubro de 2008 durante a Conferência de Desenvolvedores Profissionais da Microsoft, ocorrida em Los Angeles e segundo estimativas da Microsoft, pode ser lançado comercialmente em 2010 com preço acessível. O Windows Azure é um sistema operacional lançado pela Microsoft para seu modelo de cloud computing. Portanto, o Windows Azure não é vendido para ambientes desktop, mobile ou servidores corporativos. Podemos definir cloud computing ou computação em nuvem como uma combinação de grid computing com software como serviço (SaaS - Software as a Service). Do grid computing temos o poder de computação e alta escalabilidade oferecida para as aplicações, através de milhares de máquinas (hardware) disponíveis em datacenters de última geração. Do software como serviço temos a capacidade de contratar um serviço e pagar somente pelo uso. Essa característica de provisionamento dinâmico é muito interessante, permitindo a redução de custos operacionais, com uma configuração de infraestrutura realmente mais aderente às necessidades do nosso negócio. Um elemento chave do modelo de cloud computing é a virtualização. Basicamente, quando contratamos mais ou menos poder de computação de uma de cloud estamos trabalhando com instâncias de máquinas virtuais, que irão suportar a execução de nossas aplicação na nuvem. Assim, teremos máquinas virtuais para computação de processos, para interfaces web, para armazenamento de imagens, para dados, etc. O Windows Azure coordena a malha de hardware disponíveis em datacenters Microsoft, provisionando máquinas virtuais para a oferta de serviços online de alta escalabilidade e aplicações com provisionamento dinâmico. Essa malha é baseada em containeres, onde milhares de máquinas estão disponíveis para a infraestrutura Azure. Além dos recursos de computação, armazenamento e administração oferecidos pelo Windows Azure, a plataforma também disponibiliza uma série de serviços para a construção de aplicações distribuídas, além da total integração com a solução on-premise (local) baseada em plataforma .NET. Esses os principais serviços da plataforma Windows Azure encontramos o SQL Azure Database (um banco de dados relacional na nuvem), o Azure AppFabric Platform (um barramento de serviços e controle de acesso na nuvem) além de uma API de gerenciamento e monitoração para aplicações colocadas na nuvem. Podemos usar uma infraestrutura de nuvem conforme a necessidade, sempre que pensamos em alta escalabilidade via internet e redução de custos operacionais (com um ambiente onde pago apenas pelo uso). Porém, que aplicação vou colocar na nuvem? Assim, cenários de carga “On/Off”, carga com “Crescimento Rápido”, carga com volume “Imprevisível” ou mesmo picos “Sazonais” de carga durante a operação do sistema são exemplos de demandas que são aderentes ao Windows Azure, devido sua capacidade de configuração dinâmica e elástica. O Windows Azure entrou em produção em 1 de Janeiro e sua fase comercial está no ar desde 1 de Fevereiro. Na primeira onda de lançamentos, 21 países foram atendidos. O Brasil tem lançamento previsto para o segundo trimestre de 2010, juntamente com outros 40 países pelo mundo. É possível que até o fechamento desta edição da Mundo .NET o Windows Azure já esteja comercial no Brasil. Até meados de março, os seguintes datacenters estavam disponíveis para deployment de solução sobre o Windows Azure

link permanente

respondeu Jun 13 '12 às 16:53

nevareth's gravatar image

nevareth
737480508

A diferença é que o Azure não é um sistema operacional e sim uma aplicação na Nuvem.

Saiba mais no site oficial do Windows Azure.

Espero ter ajudado.

link permanente

respondeu Sep 04 '12 às 16:14

HNRQCP's gravatar image

HNRQCP
348

COVEIRO!

TaylerCassiano's gravatar image TaylerCassiano ♦ (Sep 04 '12 às 16:20)

Traduz.

HNRQCP's gravatar image HNRQCP (Sep 04 '12 às 17:42)
Sua resposta
mudar para preview

Siga esta pergunta

Por Email:

Uma vez que você entrar você poderá se inscrever para todas as atualizações aqui

Por RSS:

Respostas

Respostas e Comentários

Markdown Básico

  • *italico* ou __italico__
  • **negrito** or __negrito__
  • link:[texto](http://url.com/ "Qual é a sua dúvida?")
  • imagem?![alt texto](/path/img.jpg "Qual é a sua dúvida?")
  • lista numerada: 1. Foo 2. Bar
  • para adicionar uma quebra de linha basta adicionar dois espaços onde você gostaria que a nova linha estivesse.
  • tags HTML básicas também são suportadas

Tags

×5,171
×2,073
×831
×119

pergunta feita: Jun 13 '12 às 14:56

pergunta lida: 3,895 vezes

última alteração: Sep 04 '12 às 17:42